terça-feira, 18 de setembro de 2007

Radares travam velocidade em Lisboa





Portugal Diário, 11 de Setembro 2007

Os condutores circulam mais devagar depois da introdução dos radares na cidade, é esta a conclusão do comandante da Polícia Municipal (PM), em declarações à agência Lusa.
André Gomes recusou comentar a polémica das propostas de alteração dos limites de velocidade para circular na cidade de Lisboa, quem estão estipulados nos 50 e 80 quilómetros por hora, alegando que a função da PM é de fazer cumprir a lei.
A entrada de 150 novos elementos nos quadros desta força de segurança, visa, sobretudo, «reforçar acções de patrulha, vigilância e controlo na área do trânsito da capital», declara o comandante da Polícia Municipal à agência Lusa. André Gomes, 52 anos, 29 de serviço policial, está convencido que «os condutores circulam, claramente, mais devagar» em virtude dos radares, no entanto, no que respeita ao número de acidentes ocorridos nas zonas dos radares, remete para a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) qualquer conclusão.
Os 21 radares colocados nas estradas da cidade desde 16 de Julho remeteram os condutores para uma atitude mais moderada, obrigando-os a diminuírem as velocidades.
O responsável da força policial camarária esta empenhado em modernizar a PM, devido às exigências da sociedade, que cada vez exige mais e melhor às forças de segurança. André Gomes afirmou «ter tudo o que é preciso, em bens materiais, para executar funções», recordando que dispõe apenas de 364 agentes, número que será ampliado para 514, após a entrada dos novos operacionais em Outubro.
O comandante da MP mantém a esperança para a construção de um novo edifício, com o fim de poder oferecer melhores condições de atendimento aos utentes e de prestar mais e melhores serviços.

8 comentários:

Sam disse...

"Os condutores circulam mais devagar depois da introdução dos radares na cidade, é esta a conclusão do comandante da Polícia Municipal (PM), em declarações à agência Lusa."

Realmente, não é preciso ser-se comandante para concluir isso.

CARACOL disse...

Para além dos 3 milhões de euros pagos pelos radares vamos então pagar também mais umas centenas de polícias.

Cumprirão a piedosa tarefa de nos "obrigar a diminuir a velocidade".

Só é pena que ninguém se tenha lembrado de nos perguntar, democraticamente, se estamos interessados nessa "ajuda".

Alvaro disse...

Eu pensava que o objectivo era reduzir os acidentes mas parece que afinal o que se trata é de empatar o pessoal.

De qualquer forma as afirmações citadas não têm qualquer fundamento sério já que não há meios para saber, com um mínimo de rigor, se a velocidade média subiu ou desceu.

Anónimo disse...

Hmmm... entre travar a velocidade e matar mais peões... qual vai ser???

Escolha muito difícil para estas "mentes enevoadas". Vejam lá se precisam de ajuda, de uma visitinha à morgue da Santa Maria.

CARACOL disse...

O anónimo continua a bater na tecla demagógica dos mortos. Trata-se de um caso de necrofilia.

Será que o anónimo sabe que só o cancro da próstata mata, anualmente, o dobro dos mortos na estrada ?
Porque não se dedica ao toque rectal universal ?

Anónimo disse...

Oh caracol, és pouco anónimo és! :-))

O anónimo

Anónimo disse...

Alterar hábitos doi...mas, é como a dor de corno, isso passa.

CARACOL disse...

tu lá sabes...