sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Mortos de primeira e de segunda ?



Está a acontecer uma coisa extraordinária. Todos os dias há acidentes rodoviários relatados, muitas vezes em directo, nas televisões portuguesas.
Isso significa que 0,79 % dos óbitos que acontecem em Portugal obtêm 90 % da cobertura mediática. A quem é que isto serve ? Quem é que está por detrás desta campanha ?

Se é verdade que morreram em Portugal 850 pessoas por acidentes de viação em 2006 é também verdade que morreram por exemplo:

- 910 por suicídio
- 3.000 por erro médico
- 1.500 por cancro da próstata
- 3.500 por cancro do colon
- 36.500 por doenças do aparelho circulatório
- 2.200 por outras causas externas


Muitas destas mortes podiam ter sido prevenidas e devem ser tão lamentadas quanto aquelas que resultam de acidentes na estrada.

Será que os 106.000 falecidos que não morreram por acidente de viação são portugueses de segunda ?

2 comentários:

Sara Coelho disse...

Estamos a comparar acidentes PERFEITAMENTE evitáveis com casos clinicos / disturbios psicológicos. E os inocentes que morrem na estrada? Visão do assunto nada tendenciosa, ah?

F. Penim Redondo disse...

A Sara é já um produto da manipulação da informação que o post refere. Segundo a Sara os acidentes são PERFEITAMENTE evitáveis.
Só não são evitados porque os condutores, com excepção da Sara, são uns sádicos.

Todos os dias milhões de pessoas conduzem automóveis e motas e bicicletas, atravessam ruas ou caminham ao longo das bermas das estradas, distraem-se, têm ataques cardíacos, embebedam-se, etc, etc.
Eu até acho que o número de acidentes é baixo quando penso nisso...